O marketing digital é maravilhoso, mas causa algumas confusões, como a de achar que curtidas são a solução de tudo, ou que o tráfego do site é o que mais importa. A pergunta que fica é: onde entra a capacidade de converter acessos em vendas?

De fato, suas redes sociais podem bombar de likes, comentários e compartilhamentos, e nem por isso o seu negócio prosperar. Assim como um blog pode ter muito tráfego, inclusive pagando por isso, e ainda assim não conseguir aumentar as vendas.

Um modo ilustrativo de ver a questão é pensando na loja física. Realmente, um estabelecimento pode estar cheio de gente, como em um fim de semana ou data festiva, e nem por isso ter o melhor número em vendas, concorda?

O exemplo é bem ilustrativo, mas é preciso lembrar que a internet tem suas regras próprias. Também por isso, a questão é mais complexa do que parece num primeiro momento.

Inclusive, ela pode envolver toda a operação do marketing e da publicidade do seu negócio, ao menos no tocante à equipe de estratégias digitais.

O tipo de negócio e o funil de vendas são pontos essenciais. Não adianta você tentar converter no impacto uma venda consultiva, que exige um follow-up maior. Por outro lado, não tem a ver apenas com a natureza da venda, mas com o próprio conteúdo.

Em outros casos ainda, nem se trata do conteúdo, já que algumas questões técnicas podem estar impedindo um bom aproveitamento da página, como a responsividade mobile. Sem falar no layout e na formatação geral da plataforma.

Enfim, vários podem ser os motivos para um site não estar performando tão bem quanto deveria, ou mesmo tão bem quanto seu dono gostaria que estivesse. Por isso decidimos escrever este artigo com dicas bem práticas e que servem a todos.

Então, se você quer entender o motivo por que uma conversão pode ou não ocorrer, bem como a razão que tem tornado esse um dos maiores desafios das marcas que já se digitalizaram, basta seguir adiante na leitura.

 

1. Você sabe o que é taxa de rejeição?

 

Talvez você nunca tenha ouvido falar em “taxa de rejeição”, mas certamente conhece os efeitos dela na prática. Esse conceito, também chamado de “bounce rate”, tem tudo a ver com a realidade de um site e sua performance no meio digital.

Diferente do que alguns pensam, “rejeição” não remete à pessoa que não entrou no site. Pelo contrário, se o blog trabalha com rótulo de vinho personalizado, é possível mensurar a quantidade de pessoas que entraram, mas não navegaram ou não permaneceram.

Assim, é possível calcular a taxa de rejeição com base nas pessoas que entraram em uma página, porém não fizeram nenhuma ação, não clicarem em nenhum botão e nem mesmo em links que levassem para conteúdos internos ou externos.

Ou seja, essa pessoa simplesmente não engajou. O tema em si mesmo a interessa, como um blog sobre laje de concreto, que é algo bem nichado (se não houvesse interesse, a pessoa não teria entrado na página), mas e os outros índices?

Por isso, a primeira dica é ficar de olho nessa e em outras métricas, que ajudem você a racionalizar o processo e ter os dados nas mãos, como por meio do Google Analytics.

De fato, somente com as informações certas e com essa clareza, é possível tomar decisões realmente estratégicas e sustentáveis.

 

2. Sobre clareza e objetividade

 

Uma coisa muito importante, que algumas marcas podem acabar se esquecendo de levar em conta, é a importância de o site ser objetivo e bastante claro quanto ao conteúdo e a proposta da página na internet.

É claro que alguns gatilhos mentais sempre podem ajudar, conseguir atrair mais e mais pessoas. Contudo, é preciso entregar, de um modo ou de outro, aquilo que está sendo prometido, ou realmente a taxa de rejeição só vai crescer.

Quando a pessoa pesquisa algo como “material de construção mais próximo”, você sabia que os algoritmos da plataforma de busca canalizam os resultados para algo que realmente esteja próximo de onde a pesquisa foi realizada?

Assim, não adianta os buscadores se preocuparem com assertividade se você não fizer o mesmo, sendo claro e objetivo quanto ao conteúdo que promete entregar.

Isso certamente vai engajar mais e ajudar na conversão em vendas.

 

3. Certificado SSL e protocolo HTTPS

 

Uma dica muito interessante, mas que costuma passar despercebida, é a da segurança da página. Não adianta nada investir em conteúdo e apresentação visual, se a pessoa não se sentir segura o suficiente para preencher um formulário.

Ou ainda, também é preciso levar em conta que uma coisa é ler um conteúdo sobre vinho branco argentino, outra é passar o cartão de crédito para comprar o item e ficar em casa esperando a entrega ser feita.

O primeiro ponto essencial aqui é o do Certificado SSL (sigla para Secure Sockets Layer, que são as camadas de segurança da página). Esse selo de garantia é universal, então você precisa de um servidor que garanta isso à sua página.

Outra maneira indispensável de comunicação criptografada é a do protocolo HTTPS. Todo site, seja sobre manutenção de persianas ou um site do governo, tem seu http. A letra S ao final do protocolo remete ao SSL/TLS, que é outra camada adicional.

Esse reforço permite que a conexão se torne ainda mais segura. Hoje há navegadores que indicam para o usuário quando um site é seguro ou não, então imagine o impacto disso nos visitantes da sua página e, portanto, nas conversões dela.

 

4. Como fazer um CTA matador?

 

Os CTAs (Call to Actions) são as Chamadas para Ação que uma página deve ter. Trata-se de uma frase curta com um tom imperativo, que determina/sugere uma ordem que precisa ser executada após a leitura de um conteúdo.

Pode parecer meio óbvio, mas às vezes a falta de um comando simplesmente faz com que a pessoa não interaja, por não ter sido “convidada” para isso. Você escreve algo ótimo sobre anel de diamante noivado, mas não faz um CTA, então a pessoa lê e vai embora.

Agora imagine se você colocasse uma frase do tipo: “Seu noivado está marcado para quando? Divide com a gente essa fase tão especial!”. Depois, o marketing pode transformar esse lead em um prospect e passar para o comercial tentar a venda.

Seguem algumas frases célebres e que têm um alto poder de conversão:

  • “Vamos fazer um projeto juntos? Clique aqui!”
  • “Seu site tem algo errado? Descubra digitando aqui sua URL!”
  • “Não pare agora, você está perto, clique e entenda melhor!”
  • “Mande novidades especiais para nós agora!”
  • “Conheça um produto X feito especialmente para você!”
  • “Pegue o seu teste totalmente grátis aqui!”

Claro, o imperativo não pode exagerar a ponto de deixar o visitante desconfortável.

Cada pessoa decide como vai navegar por seu conteúdo, mas está claro como um “empurrãozinho” desses pode ajudar e muito, não é mesmo?

 

5. Geração de conteúdo e e-mail marketing

 

Um erro muito comum é achar que o visitante precisa cumprir todo o funil de vendas logo na primeira visita. Infelizmente, não é assim que o marketing digital acontece.

Portanto, é fundamental que você queira e saiba estabelecer uma relação com o público, gerando conteúdos originais e constantes, que realmente agreguem algo.

Além disso, se você não consegue converter o visitante em lead, não vai conseguir converter o lead em comprador, tenha certeza.

Então, primeiro consiga os dados dele, e invista no e-mail marketing. Depois de explicar melhor quais são as vantagens ou custo-benefício de um anel banhado a ouro feminino, com certeza a pessoa estará mais perto do fundo do funil e da conversão.

Além do e-mail, toda estratégia de inbound e marketing de conteúdo pode ajudar, como e-books, infográficos, webinários, podcasts e muito mais.

 

6. A importância da interação

 

Além de produzir conteúdos estratégicos, preocupar-se com o layout e até a parte técnica do site, é preciso não se esquecer de algo básico: o retorno. Afinal, se as pessoas interagiram com você, merecem um retorno atencioso, concorda?

Há muitos sites na internet cujo campo de perguntas parece um cemitério, já que as empresas simplesmente ignoram o que as pessoas dizem ali.

Tenha certeza, se um leitor diz algo sobre seu artigo de serviço de pinturas, mesmo que não seja uma dúvida explicitamente comercial, a probabilidade de ser um cliente em potencial é enorme, desde que você saiba dar a devida atenção ao caso.

Com isso, vemos que é sempre possível melhorar a conversão dos visitantes de uma página, aumentando as vendas e os resultados de qualquer site.

 

 

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.